Grupo de Estudos Joaquim Nabuco – Ano IV

O G.E. Joaquim Nabuco reúne pessoas comprometidas com a defesa das instituições tradicionais, das liberdades autênticas, do livre mercado e da pessoa humana, sob inspiração católica.

O Complexo de Helena

helena-de-troiaPor Nivaldo Cordeiro.

Werther, quando resolveu cometer suicídio, pensou antes em cometer homicídio, matando Carlota e o marido. O desfecho da história que marcou o romantismo em nada mudaria. Associado ao fascínio do feminino pelo masculino (e vice-versa) está sempre um jogo psíquico poderoso e, por vezes, irresistível, que leva a desfechos trágicos.

Chamo a isso Complexo de Helena. A bela de Troia tem sempre a capacidade de seduzir, provocando nos homens rixas que levam a combates e morte e, nas mulheres outras, ódio e sofrimentos. Essa feminilidade sedutora é o centro da narrativa do grande poema épico, depois reanalisado em grandes tragédias de Ésquilo e Eurípedes. Helena tem “voz de sereia” e o visual da própria Afrodite. O homem tomado pelo feitiço da deusa vira um joguete das forças mais destrutivas da guerra e do simples homicídio.

Goethe percebeu isso com toda clareza e Carlota, no Werther, é essa Helena que pode habitar no corpo e na voz de qualquer mulher. No Fausto, temos Margarida e a própria Helena de Troia, que, num magnífico lance de licença poética, sai da Antiguidade para desposar o nobre teutônico medieval. É a própria sedução personificada. Margarida tem desfecho trágico; Helena tem passagem mágica, com toda a narrativa sugerindo um amor por si mesmo, com traços hermafroditas masturbatórios e homossexuais. O importante é que a beleza feminina com o toque de Afrodite pode ser mortal. Grandes crimes periodicamente acontecem envolvendo casais sem que o criminoso sequer perceba o ato que cometeu durante a sua realização.

[Ao lado da Helena é muito comum aparecerem também as variações trágicas de Ifigência, aquela que foi sacrificada pelo pai para propiciar a vitória, e da própria Perséfone, aquela virgem pura raptada por Plutão. Como se vê, a repetição do motivo arquetípico é intemporal e está em toda parte.]

“Não sou criminoso”, afirmou o atirador que matou seis em chacina em Jabotical (ver aqui) Claro que é, crime é agir contra a lei e ele o fez. Talvez tenha querido dizer: “Não sou dono dos meus atos”. Seria mais verdadeiro. A história absurda de um jovem homem casado, rejeitado momentaneamente por uma prostituta, reagiu violentamente à rejeição. Ele poderia tê-la meia hora depois, mas a fome pelo amor da própria Vênus não podia esperar. Werther aqui tornou-se homicida.

Mulheres também matam homens dentro da própria história mitológica. Em geral usam outros homens para seus fins homicidas, um Agamenon que acaba sempre por incendiar Troia, matando Heitor, e um Aquiles que mata Páris e é por ele morto. É o irmão de Margarida que é morto por artes de Mefistófeles. Mas elas também matam com as próprias mãos, como morreu Agamenon. Recentemente tivemos o julgamento da outrora prostituta que matou o marido por se sentir traída, esquartejando seu corpo distribuído em malas pela cidade. Nenhuma Helena suporta que outra suplante sua beleza e seu poder de sedução. Temos ainda a história do Euclides da Cunha, morto no triângulo amoroso mais clássico.

No cinema há grandes histórias envolvendo casais. De Olhos Bem Fechados, de Kubrick, será talvez o mais antológico. Tampar os olhos com as roupas é o recurso civilizado (que está se perdendo) para se resistir ao poder de sedução da deusa do amor. A entrega desenfreada a Eros está no filme japonês O Império dos Sentidos, quando a coisa acaba mal para ambos os lados. Thomas Mann fez algo assim, no âmbito homossexual, com o romance A Morte em Veneza.

Na literatura, igualmente temos a repetição do tema. Lolita, Madame Bovary e a nossa história de Bentinho casmurro são grandes exemplos dessa presença.

Resistir ao arquétipo é bem difícil. A força que surgiu contra a “voz de sereia” está no Cristianismo, cujas histórias femininas exaltam a virgindade e o ascetismo, o oposto da exaltação erótica pagã. O cristianismo, todavia, está em baixa e não tem servido mais de escudo contra a erupção das forças infernais. Cenas trágicas como essa de Jaboticabal estão cada vez mais frequentes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 15 15America/Belem março 15America/Belem 2017 por em Arte, Civilização, Cultura, Feminismo, História, Nivaldo Cordeiro e marcado , , , , , , .
%d blogueiros gostam disto: