Grupo de Estudos Joaquim Nabuco – Ano IV

O G.E. Joaquim Nabuco reúne pessoas comprometidas com a defesa das instituições tradicionais, das liberdades autênticas, do livre mercado e da pessoa humana, sob inspiração católica.

A presença feminina nas sociedades pagãs e cristãs

mulherPor Regine Pernoud.

Para sabermos o papel, função e posição da condição feminina no ocidente, em Roma, melhor do que as obras literárias ou exemplos individuais, o direito nos faz conhecer pormenor os costumes. Reportemos ao direito romano, o conhecido sistema de legislação antigo, onde a mulher em Roma não era sujeito de direito. A mulher, tal como o escravo, não existia propriamente perante o direito romano.

A mulher era considerada um objeto, sua condição pessoal, as relações com os parentes ou marido que são os chefes todo-poderosos. No período imperial, a mulher também não exercia qualquer papel oficial na vida política romana e não podia ocupar nenhuma função administrativa nem na assembleia dos cidadãos, nem na magistratura e nem nos tribunais. Não vivia confinada como a mulher grega, participava dos espetáculos e banquetes.

Na sociedade patriarcal que era Roma, o pai decidia a vida e a morte dos filhos – patria potestas – sobrevivia apenas uma filha, no máximo duas com a intenção de perpetuar a família. O infanticídio era comum entre as filhas mulheres. Ela não recebia um nome, carregava consigo o nome da família (sobrenome do pai). O pai também decidia o casamento da filha e em caso de adultério é ele quem mata a filha infiel. O adultério do homem ocorria apenas a restituição do dote da mulher.

Com a difusão do evangelho desaparece a primeira e a mais decisiva das discriminações entre os sexos: o direito de viver. A palavra de Cristo enunciava a igualdade fundamental entre os sexos. Cometeria um adultério tanto o homem como a mulher ao deixar seus cônjuges e se unir a outros.

A virgindade era objeto, na Roma pagã, de um certo respeito. As vestais, guardiãs do fogo sagrado da cidade, eram muito respeitadas, mas as que violavam o seu voto de castidade eram enterradas vivas. Designadas pelo pai e conduzidas por ele ao templo logo na primeira infância, aí ficavam durante trinta anos, o seu estatuto trazia, portanto, a marca da patria potestas, do poder paternal, enquanto o voto de virgindade, feito pelos cristãos, de resto tanto por homens como por mulheres, estabeleceu de fato o valor da pessoa perante o casal.

Quando se estuda a história do Ocidente, é impressionante ver a que ponto foi masculina até o século V. Quantas mulheres se podem citar durante os séculos de existência de Roma e da sua dominação? A conversão da Roma pagã se deu no interior da aristocracia romana pelas mulheres que propagaram a sua fé (meados do século IV), os homens permaneciam pagãos. Na geração seguinte aceitaram desposar cristãs, e, através destas, a nova religião aclimata-se e a partir do ano 400 torna-se dominante. Com a propagação do catolicismo a mulher foi a figura mais beneficiada.

A situação dada as virgens e as viúvas desde a Igreja primitiva merece, com efeito, uma atenção especial. São dois tipos de solidão que no mundo antigo, judeu ou pagão, acarretavam uma espécie de maldição. Se nos reportarmos aos Atos dos Apóstolos verifica-se que as viúvas são as primeiras assistidas na comunidade cristã. Uma verdadeira função atribuída as viúvas, a ponto de São Paulo explicar detalhadamente as qualidades necessárias as viúvas para ocuparem o seu lugar na Igreja e assumirem um papel ativo. Antes as viúvas eram queimadas junto com o marido defunto – religiões pagãs asiáticas. Imoladas na fogueira do esposo defunto, na antiguidade clássica só algumas viúvas ricas escapavam do desalento.

É impressionante o dinamismo, a capacidade de invenção das mulheres que o Evangelho libertou. Um exemplo marcante é o de Fabíola, uma dama da aristocracia romana, que se tornou discípula de São Jerônimo, impressionada por ver o número de peregrinos que chegavam a Roma, onde se veem sem recursos, funda para eles uma casa de doentes. Dito de outra maneira, Fabíola funda o primeiro hospital. Foi uma mulher atenta as necessidades do seu tempo.

As questões de educação no primeiro plano são competência da mulher. Aquela que cria e alimenta as crianças não será mais dotada do que ninguém para saber instintivamente como lhes facilitar a plena maturidade, lhes permitir a sua personalidade própria? O mais antigo tratado de educação (Manual para o meu filho) em meados do século IX, foi escrito por uma mulher, Dhuoda. O livro é composto de historias e anedotas, fala das diversas tentações que assaltam a alma, das más inclinações que é necessário combater: arrogância, luxúria, cólera… O primeiro conselho e antes de mais “ler e rezar”. Ela repete frequentemente este conselho “no meio das preocupações mundanas do século, não deixes de procurar muitos livros, onde poderes, através dos ensinamentos dos santos padres e mestres, descobrir e aprender sobre Deus”. A sua obra alimenta-se da Bíblia e dos pais da igreja.

Os mosteiros femininos e masculinos são também escolas, e isto desde o início da vida religiosa no Ocidente. As crianças, moças e rapazes, para serem instruídos e educados devem ser admitidos no mosteiro a partir dos 6 ou 7 anos de idade. No mosteiro de Nossa Senhora de Ronceray, em Anju, em 1116 recebeu uma dotação do conde de Anju para alimentar e educar 13 crianças pobres do seu condado e do de Maine.

Por fim, foi com a chegada de uma mulher, Clotilde, que a França pode abraçar a religião católica. Clóvis, rei dos Francos Sálicos, conquistou uma boa parte do Norte da Gália. Com Clotilde, a presença da mulher torna-se evidente e a sua influência uma certeza. Todos os historiadores salientam o papel fundamental que teve, conseguindo que o esposo pagão se convertesse a fé cristã. O batismo de Clóvis está registrado no topo da catedral de Reims. Ora, foi uma mulher que a conseguiu. Decisão essencial na medida em que o conjunto do povo, sobre o qual Clóvis através de sucessivas vitórias, vai pouco a pouco exercer uma supremacia, é cristão. O poder Laico, o do imperador romano, força militar ou administração civil, deslocou-se e desmoronou-se no decurso deste século V, somente a organização religiosa, a que de uma cidade a outra liga entre si os bispos da Gália, substituiu, evitando ao país soçobrar. Fazendo-se cristão, Clóvis obteve o apoio dos bispos.

Retirado de: A mulher no tempo das catedrais – Régine Pernoud

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 8 08America/Belem março 08America/Belem 2017 por em Civilização, Cultura, Estado, Família, História, Moral, Mulher e marcado , , , , , .
%d blogueiros gostam disto: