Grupo de Estudos Joaquim Nabuco – Ano IV

O G.E. Joaquim Nabuco reúne pessoas comprometidas com a defesa das instituições tradicionais, das liberdades autênticas, do livre mercado e da pessoa humana, sob inspiração católica.

A indelegável educação dos filhos

escola-600x300“o colégio deve se afinar à educação moral que os filhos recebem em casa, sob o risco de inseri-lo numa crise precoce, quando ainda não consolidaram o seu caráter. Nada pior para a formação moral de uma criança do que receber ordens opostas de instâncias diferentes e complementares: o resultado é a neutralização de toda autoridade”.

Por Victor Sales Pinheiro.

Na estimulante e desafiadora reflexão do livro “O colégio dos nossos filhos – a educação personalizada” (ed. Quadrante), Evandro Faustino considera que o erro fundamental na atual de educação dos filhos é a “terceirização” que isenta os pais de participação no ensino escolar, eximindo-se da sua responsabilidade sob o argumento de que os “especialistas” sabem educar os filhos melhor do que eles. Na verdade, o colégio deve se afinar à educação moral que os filhos recebem em casa, sob o risco de inseri-lo numa crise precoce, quando ainda não consolidaram o seu caráter. Nada pior para a formação moral de uma criança do que receber ordens opostas de instâncias diferentes e complementares: o resultado é a neutralização de toda autoridade.

Essa delegação de responsabilidade pedagógica reflete-se nos critérios de eleição do colégio, baseados em fatores extrínsecos como proximidade, preço, “status”, tradição, método ou sucesso pragmático. Ora, esses critérios são importantes, mas, por não serem os primordiais, não devem ser os decisivos. A escolha deve se pautar na questão fundamental do ideal pedagógico promovido pelo colégio, o modelo de homem que ele realiza pela educação. Educar é ajudar a crescer, é promover uma transformação pessoal em vistas ao desenvolvimento pleno de um ser único e irrepetível. Mais do que qualquer relação institucional, normalmente impessoal, os pais guardam a consciência de que seus filhos são incomparáveis e insubstituíveis, sabendo que a verdadeira educação é sempre “personalizada”. Como processo de autoconhecimento e inserção no mundo pelo reconhecimento da própria identidade, a educação é protagonizada pelo educando, que é conduzido pelos educadores, em primeiro lugar os pais, e, subsidiariamente, os professores. Etimologicamente, pedagogia significa “condução de crianças”. Para que patamar de humanidade os pais pretendem levá-las? Que horizonte a escola pode lhes apresentar? A questão filosófica decisiva da educação concerne à imagem de homem subjacente a toda pedagogia, como desenvolvimento pleno das faculdades que se consideram inerentes ao homem.

O currículo disciplinar e as atividades desenvolvidas pelo colégio explicitam o ideal pedagógico e moral em que ele se baseia. As escolas que se dedicam apenas a enxertar conhecimentos prontos reduzem o homem a uma espécie de computador, apto à recepção e reprodução de informações. É o que Evandro Faustino denomina “mero conteudismo”: “o aluno é visto como um receptáculo, e o colégio, uma pá carregadeira que despeja conteúdos”. Como as universidades brasileiras também procedem dessa maneira, a memorização e a repetição adestrada tornam-se o critério mais importante para o “sucesso” na vida estudantil e profissional. Assim, os colégios orgulham-se de aprovar os alunos nos vestibulares, e a faculdades, nos concursos profissionais. Esse reducionismo massifica o estudante e separa sua inteligência do núcleo afetivo e existencial em que ela está integrada. A todos é ensinado tudo da mesma forma, sem qualquer particularização didática. Para otimizar esse processo de reprodução mecânica, fragmentam-se as disciplinas em subcategorias, dividindo também os professores, que não estabelecem nenhum contato duradouro com os educandos. A unidade do saber é pulverizada em ilhas temáticas que não formam um arquipélago orgânico.

Normalmente, o resultado dessa educação fragmentada e desconexa é a perda do sentido de completude e ausência de orientação moral e cultural do aluno, que não logra articular o tempo histórico em que vive a partir dos paradigmas de conhecimento que o governam. Entretanto, o objetivo da educação é a integração dos saberes numa unidade global de sentido, assim como a unidade dos conhecimentos com a vida. O ensino interdisciplinar volta-se à reintegração das ciências dispersadas, formando um conjunto interdependente de saberes articulados e propiciando uma visão do conjunto. Por exemplo, relaciona-se a História à Literatura, a Geografia à Economia e a Física à Biologia. A partir dessa reunião, o ensino transdisciplinar apresenta o contexto histórico da época, da mentalidade e da cultura em geral.

Mas o ensino inter e transdisciplinar restringem-se, ainda, à dimensão intelectual do homem, negligenciando as suas dimensões moral, cultural e espiritual, que dependem da consideração da experiência concreta do educando para a adequada assimilação do conteúdo transmitido. Por isso, é necessário recuperar a dimensão humanista da educação, que depende da atenção à personalidade de cada homem, em sua individualidade irredutível. A educação personalizada promove a formação moral do educando, considerando as virtudes que atualizam as potências da sua personalidade. Desse modo, supera-se a dimensão apenas intelectual do “ensino” e se alcança a dimensão vital mais profunda da “educação”, que é a base em que a inteligência se desenvolve. É nessa dimensão, propriamente pedagógica, que a ação dos pais é determinante, e a harmonização de pais e colégio decide o equilíbrio moral e intelectual da pessoa em formação.

Fonte: O Liberal, em 26/26/2016.

Anúncios

Um comentário em “A indelegável educação dos filhos

  1. AntimidiaBlog
    27 27America/Belem junho 27America/Belem 2016

    No que diz respeito a moral judaico-critã, é algo que absolutamente não deve ser levado em consideração pelo escola ou professor.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 27 27America/Belem junho 27America/Belem 2016 por em Atualidade, Cultura, Educação, Família, Liberdade, Moral, Victor Sales Pinheiro e marcado , , , , .
%d blogueiros gostam disto: