Grupo de Estudos Joaquim Nabuco – Ano IV

O G.E. Joaquim Nabuco reúne pessoas comprometidas com a defesa das instituições tradicionais, das liberdades autênticas, do livre mercado e da pessoa humana, sob inspiração católica.

Ressurreição

Gustavo-Corção“então, se o Cristo não ressuscitou, nós somos as mais desgraçadas criaturas, não apenas pela morte que nos espreita e espera, mas pelo morte que passa a ser a própria linha com que se cose a vida”

Por Gustavo Corção.

Pondera bem, ó alma de minha alma, o incerto traçado de nossa vida, linha torta, irregular, e sobretudo quebrada. Pondera e considera bem, ó alma de minha alma, a miséria extrema de nossa condição: com os olhos do espírito abertos para a visão do infinito, com a boca da alma aberta para o bem supremo, que fazemos nós de tão preciosos dons? Vivemos apenas o minuto que passa, o presente que nos estraçalha, nos pulveriza e nos permite que um ou dois grãos desse pó tenha frêmitos de amor e deslumbramentos de inteligência. Logo passa o fugaz relâmpago, e o átomo de vida dá lugar à outro átomo que já o empurrava com impaciência.

E todo esse aparatoso caminhar só nos leva à mesma terra de onde viemos; ao mesmo pó, e ainda querem alguns que nos consolemos com a idéia da grama que verdejará e da rosa que se ruborizará com a decomposição do corpo que vida afora nos carregou. Não sei se alguém haverá que se conforte com tal espécie de ressurreição. Eu não.

Diz o poeta máximo:

«Destarte a vida em outra fui trocando;
Eu não, mas o destino fero e irado,
Que eu, inda assim por outra a não trocara.»
Também eu por outra não trocara a minha pobre vida. E tu também. E todos. Nossa vida é o que somos; nossa pessoa é nossa vida passada no crivo das horas e dos dias. Queremos ser o que somos ainda quando vorazmente corremos atrás do que somos. Triste sorte, mísera condição: queremos uma integridade, e vivemos instantes, instantâneos fotografados nas pupilas que nos espionam com uma fatigada curiosidade. Mísera sorte, estranha condição. Experimente, leitor, folhear um álbum de retratos: ali estão instantâneos, pontos de vida. Observa este sorriso e aquele gesto de mão ou de corpo inteiro. Tudo isto, no cinema seria um quadro. E o cinema é mais compassivo do que a vida porque repete o quadro com as pequenas variações estáticas que, na hora da projeção, nos devolvem a continuidade móvel que devorou o gesto. Ephemères, dizia Mauriac de todos os personagens que não tivessem a eternidade de sua infância em Malagar; ephemère, terá pensado Toulouse Lautrec quando pintou a figura de um noceur que se despregava de outros ephemères, e ficou com a mais fugaz atitude eternizada na tela.

Van Gogh, escrevendo a seu irmão, queixava-se de tudo, e blasfemava liricamente, inocentemente, dizendo com sua autoridade de genial artista, que este nosso mundo “est un monde mal venu”. Mal acabado, mal feito. E o pobre pintor da pura luz emancipada das substâncias da terra não sabia que, nessa carta desesperada, escrevia a seu modo um ato de esperança. «Et pourtant, M. Vollard, la nature est si belle!”, dizia Cezanne. E são justamente esses que acham tão bela a natureza, são justamente os capazes de ficar uma hora a admirar a imobilidade de uma pétala de rosa, ou a mobilidade de um inseto cravejado de pedras preciosas, são precisamente as almas mais abertas para o conhecimento e para o amor, são justamente os mais apurados que sentem o que lhes parece ser a má feitura do mundo, e que acham intolerável a simples idéia da vida ser esse disparato ou essa longa frase sem sentido que a morte interrompe sem por isso lhe trazer mais nexo. Ao contrário, descontadas as enfáticas e grandiosas exceções, a morte vem sempre ou quase sempre acompanhada de um cortejo de mau gosto e de macabro ridículo.

«O meu Reino não é deste mundo», disse Nosso Senhor categoricamente, e disse-o justamente a um personagem que representava o Reino deste mundo, e preveniu-nos no último dia em que esteve conosco em sua primeira vinda, de que por isso seríamos odiados pelo “mundo”. Padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, que por derrisão entrou no Credo, foi crucificado, morto e sepultado. E ressuscitou no terceiro dia como anunciara, Aleluia! Aleluia!

E se tudo isto foi um sonho que tantos e tantos sonharam e pelo qual deram a vida, e se agora acordados num planeta estéril e hediondamente povoado de máquinas ridículas vemos que foi apenas um sonho dentro de um sonho, então… então, se o Cristo não ressuscitou, nós somos as mais desgraçadas criaturas, não apenas pela morte que nos espreita e espera, mas pelo morte que passa a ser a própria linha com que se cose a vida. «Madame, vous sentez la mort», disse Henrique II, da França, à Catarina de Médicis, nas vésperas do massacre de São Bartolomeu.

Se o Cristo não ressuscitou para abrir o caminho de nossa ressurreição, nós somos todos mal venu, e todos nós temos cheiro de morte.

Ao contrário, ressuscitando Cristo, como nos dizem a Fé e a Esperança, então não é somente o morto do último lance de vida que se erguerá, é toda a vida, são todos os malogros, todos os sofrimentos desta longa vida que ganharão sentido e forma harmoniosa, porque foi principalmente por esse crivo que imitamos o Cristóvão que se carrega a si mesmo e nos carrega todos para a terra dos ressuscitados, aleluia.

E quando galgarmos à margem oposta, antes de vermos descortinada toda a paisagem do Novo Mundo, podemos lançar um último olhar para trás: e então será a tênue luz de um Círio Pascal que nos desvendará os desconcertos do mundo, e que nos dirá o sentido que teve e que ainda tem na eternidade cada áspero momento que agora nos parece absurdo e incompreensível. Veremos a dor de nossa vida como um rastro de luz.

E à medida que clarear a primeira aurora do mundo novo entenderemos melhor a esperança dos santos: onde abundou o pecado superabunda a graça; e onde bruxuleou a Fé resplandece agora a luz da Glória.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 2 02America/Belem abril 02America/Belem 2015 por em Gustavo Corção, História, Religião e marcado , , , , .
%d blogueiros gostam disto: