Grupo de Estudos Joaquim Nabuco – Ano IV

O G.E. Joaquim Nabuco reúne pessoas comprometidas com a defesa das instituições tradicionais, das liberdades autênticas, do livre mercado e da pessoa humana, sob inspiração católica.

Malévola, ou, a falsificação do bem

malevolaPor Nivaldo Cordeiro

Malévola é aquela que quer praticar o mal e acaba por praticar o bem, não é bonitinho? Assim, o bem depende do mal. A velha gnose de sempre. Nesse sentido, o filme é aterradoramente anticristão.
Como percebo o cinema? Como um conjunto de técnicas e ações que buscam contar uma história na linguagem própria do cinema. A base de tudo está no texto. A arte de representação se insere como parente do teatro, mas é dele diferente, porque as cenas podem ser repetidas quantas vezes necessárias, até a perfeição, permitindo inclusive que atores medíocres se consagrem. A fotografia é uma de suas alavancas principais, assim como a música. As técnicas cinematográficas têm variado no tempo, mas a arte de contar histórias, não. Existem bons filmes desde o início do cinema, e também filmes ruins atualmente, tempo de técnica superlativa. Vejo filmes como se lendo um livro eu estivesse.

Qualquer gênero pode gerar obras primas. Os clássicos do Far West não deixam de dar grande testemunho. Gênero quase em desuso, as obras primas da primeira metade do século XX são sempre encantadoras, mesmo para aqueles que já as viram. E empregavam técnica primitiva.

Bons filmes não necessariamente demandam técnica superlativa, no sentido do uso do aparato tecnológico de imagens e de sons. Certo, cinema é também diversão e entretenimento, mas não é só isso, ao menos para um público mais qualificado. Por isso Copolla e Kubrick foram grandes diretores e não dispuseram de toda essa tecnologia que há hoje. Não obstante, eles nos legaram talvez as maiores obras primas do cinema.

Uma boa história cinematográfica deve falar da condição humana. É como na literatura. Por mais fantástica que seja, que lá se encontrem os conteúdos perenes da alma humana. Uma das coisas mais essenciais no cinema é a honestidade do diretor para com o autor do texto, mesmo que originalmente tenha sido escrito na forma de romance. Não posso deixar de citar o filme de Kubrick, De Olhos Bem Fechados, que se baseou num livro ambientado no início do século XX, de Arthur Schnitzler, e foi recriado na Nova York atual sem qualquer perda de finalidade do autor original e sem violar sua narrativa. Um diretor genial não violentaria a obra que lhe serviu de roteiro.

Mesmo filmes medianos são fieis ao texto, como o de Frank Darabont, À Espera de um Milagre. Este foi de fidelidade canina à base do roteiro, escrito por Stephen King. Nem uma palavra a mais. E nem a menos. Kubrick fez o mesmo com outro roteiro do Stephen King, O Iluminado, um dos seus filmes mais celebres e geniais.

Digo tudo isso pois fui assistir ao filme Malévola, dirigido por Robert Stromberg e estrelado por Angelina Jolie. Nele vi o contrário do que espero do cinema. Esse diretor é também autor da fábula ambientalista Avatar, outra porcaria produzida pela perfeição tecnológica. O filme Malévola virou uma página de propaganda do feminismo mais rasteiro e rancoroso. O belíssimo conto de fadas do francês Charles Perrault, A Bela Adormecida, teve sua mensagem violentada ao sabor dos preconceitos descarados dos militantes e das militantes feministas.

As figuras masculinas da história foram reduzidas a caricaturas grotescas. Os homens ou são maus ou são fracos ou ambas as coisas. O poder masculino é supostamente falso, o poder feminino é verdadeiro, segundo essa versão falsificada do conto de fadas. Mas a má intenção do autor do filme está muito bem expressa no desfecho: o beijo salvador do conto original não pode acontecer para essa gente porque é a exaltação da união natural entre o homem e a mulher, levando ao matrimônio e à família. É claro que o príncipe que aparece é um perfeito bocó e seu beijo, inútil. É como se não pudesse haver amor verdadeiro entre um homem e uma mulher, como é expresso nas falas repetidas vezes: “o amor verdadeiro não existe”.

Amor verdadeiro só entre duas fêmeas. Eu quase achei que Malévola ia beijar a bela que dormia nos lábios. Não tiveram coragem para isso ou os produtores impediram, pois afinal as vítimas pagantes de bilheteria são, em sua maioria, infanto-juvenis. Ficaria um pouco demais, não é mesmo? Mas esse é certamente o enredo que as feministas mais radicais defenderiam.

A maldade do diretor não se esgota nessa falsificação do original e da própria essência humana retratada no conto de fadas de Perrault. Vemos, com toda força, a exaltação da tese gnóstica de que o bem precisa do mal para existir. Jung certamente adoraria o enredo do filme, assim como Goethe. Malévola é aquela que quer praticar o mal e acaba por praticar o bem, não é bonitinho? Assim, o bem depende do mal. A velha gnose de sempre. Nesse sentido, o filme é aterradoramente anticristão.

A figura do corvo que acompanha Malévola é o próprio emblema de Satã, sua ave totêmica. Malévola o faz transformar-se em homem, que passa a ser seu escravo e pau para toda obra. O sonho dourado das feministas.

Malévola é a bruxa má resgatada de sua maldade e posta a “amar”. A suma de todo ódio e rancor é transformada em seu oposto. Essa é a crença essencial da modernidade e que tem se substituído ao cristianismo. Está em toda parte. O filme apenas dá uma roupagem feminista, mas o essencial da sua mensagem é a exaltação “benéfica” do maléfico.

O grande público se encanta e se engana com o emprego da belíssima técnica de filmagem empregada, à perfeição. Mas a embalagem linda esconde apenas veneno. Uma vez na sala de cinema, apagadas as luzes, os jovens expectadores são submetidos à mais sórdida mentira, vigarice, enganação e falsificação de que é capaz um ser humano. Um estupro intelectual sob belas imagens.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 10 10America/Belem julho 10America/Belem 2014 por em Arte, Entretenimento, Humanidade, Moral e marcado , , , , , , .
%d blogueiros gostam disto: